domingo, 3 de fevereiro de 2019

A geração das mulheres “inamoráveis”

Publicação original: https://astrosbr.com/2019/02/02/a-geracao-das-mulheres-inamoraveis/
Uma vez, num bar, ela disse-me: “Neste mundo existem pessoas ‘inamoráveis’, e eu sou uma delas”.


Aquilo intrigou-me durante toda a noite… uma palavra fora do dicionário que ela usava para se descrever, e porquê? 
Observei-a enquanto ela, tímida, finalizava mais um copo de cerveja. Eu estava com ela apenas há quatro horas, quatro horas onde conversamos sobre filosofia, arte, astrologia, cinema e viagens… Quando ela se dirigia ao empregado de balcão, o bar inteiro parava para vê-la…
Ela tinha o seu carro, a sua casa e era do tipo que não dependia de ninguém, então porquê pensar assim? Teria ela se fechado para os relacionamentos?
Ela fez uma cara de entediada e chamou-me para caminhar enquanto fumava um cigarro, até à saída sorriu e cumprimentou toda a gente com aquele jeito danado e brincalhão de menina do mundo…
Aquilo tudo era muito pequeno e raso para ela, concluí eu.
Na rua todos passavam apressados, ela divertia-se com os animais abandonados, abaixou-se e entregou a sua garrafa de água para o morador da rua, explicou o endereço de um bar em alemão para um estrangeiro perdido que agradeceu com um sorriso, comprou chicletes de uma criança e na minha cabeça só ecoava: “inamorável”…
Foram horas a observar aquela mulher, até não me aguentar e voltar ao assunto… Eu queria entender melhor, eu queria uma definição como num dicionário. Então ela pegou na minha mão e puxou-me para um bar onde tocava uma banda de rock, ficou em silêncio por longos 30 minutos a observar tudo, até que disse:
– “Olha ao teu redor, estamos aqui já há algum tempo e durante esse tempo passou por nós uma mulher a chorar porque o seu namorado terminou com ela ontem e hoje já está com outra, pois ele acredita que pessoas são substituíveis… naquela mesa ao fundo estão 10 pessoas e elas não conversam entre si porque estão muito ocupadas com os seus smartphones. Talvez aquela mulher de vermelho seja a mulher da vida do rapaz de azul, mas ele nunca saberá pois é orgulhoso demais para tentar se aproximar dela.
Observa aquele rapaz de pólo no bar, é o terceiro copo de martíni que ele toma enquanto olha para aquela loira, que por sua vez está a tentar chamar a atenção do vocalista da banda que fingirá que ela não existe por causa da ruiva e da morena que ele pega em dias alternados, e ele não pode ficar mal perante as outras.
Olha ao teu redor, não fazemos parte disso, não somos rasos. Não fazemos mesmo parte disso! Entramos sem telefone na mão, na expectativa de encontrar pessoas simpáticas e interessantes, com conversas interessantes, com relações reais e voltamos para casa sozinhos, somos invisíveis num mundo de status onde as pessoas não vão querer-te porque tu moras longe, ou porque não gostam da tua cor de cabelo ou porque tu não curtes os Beatles, acontece tudo tão rápido que as pessoas estão com preguiça de fazer o mínimo de esforço para conhecer realmente alguém.
Eu passo por essa legião de pessoas como um fantasma pois eles estão ocupados demais para ver quem está ao seu redor enquanto procuram alguém no tinder ou em outra qualquer app de encontros.
E eu importo-me? Não mais. Sou inamorável porque não me importo com nada disso. Não me importo com nenhum desse estatuto, não me importo em quanto tempo levo para conquistar a pessoa, se ela realmente vale a pena, não me importo se terei que atravessar a cidade para vê-la quando tiver saudades e não me importo se ela me presentear com um convite para ir ver o show dos Beatles porque é importante para ela mesmo eu detestando a banda. Porque eu sou assim, e se antes era isto que as pessoas procuravam em alguém, hoje em dia somos considerados inamoráveis por acreditarmos no amor e por mantermos o coração e a mente aberta.”
Naquele momento eu entendi-a, e apaixonei-me pelo mundo dela.
Texto de Akasha Lincourt

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

E-Book O SANTO ROSÁRIO

Caríssimos Irmãos e Irmãs,

Quer ser feliz Evangelizando?
Quer ser alegre na Fé?


Tenho uma oferta GRATUITA de um E-book para você aprender as orações e a organização do Santo Rosário e um aplicativo de celular para você rezar o Terço onde quiser.


Pegue o seu e compartilhe!


Clique aqui e Baixe o e-book e o aplicativo GRATUITAMENTE.

Acesse: https://npdbrasil.net.br/os-misterios-do-rosario/

Como Catequizar seus Filhos em Casa

Curso: Como Catequizar seus Filhos em Casa

Curso COMO CATEQUIZAR SEUS FILHOS EM CASA. Um curso desenvolvido para ajudar pais, mães, padrinhos e madrinhas a cumprirem bem suas responsabilidades assumidas perante a Igreja de manter seus filhos e afilhados no caminho da fé.

Rafael e Aline Brodbeck
Casal católico e gaúcho, pais de quatro filhos, tentando ajudar as famílias e seus lares com a luz do Evangelho. Veja mais sobre eles clicando aqui.


Formato do Curso: Site de Membros, Serviços de Assinatura

Este é um produto digital com aulas de vídeo e apostilas em PDF, você receberá os dados para acessá-lo via internet. Veja o preço mais abaixo.

CURSO: COMO CATEQUIZAR SEUS FILHOS EM CASA

Nosso curso ajudará você, pai, mãe, padrinho e madrinha, ou mesmo que ainda não tenha filhos ou afilhadas e nem mesmo seja casado, as melhores formas de ajudar uma criança a ter uma excelente formação doutrinária católica NO LAR, seja por uma preparação exclusiva para a Primeira Comunhão, seja como complementação ao curso de catequese da sua paróquia ou movimento, ou até como um curso permanente de perseverança na fé.

Veja abaixo como este curso está preparado especialmente para você. Dúvidas? Continue lendo este artigo que vou te ajudar a esclarecer suas dúvidas.

Oito aulas:

Aula 01: Apresentação
Aula 02: A função dos pais como catequistas e o propósito da catequese no lar
Aula 03: Princípios pedagógicos aplicados à catequese no lar
Aula 04: Os temperamentos e como isso influencia no aprendizado da criança
Aula 05: Respeitando a maturidade da criança, mas incentivando-a a ir além
Aula 06: Como preparar um bom plano de aula
Aula 07: O conteúdo do livro de catequese e como tirar maior proveito dele
Aula 08: Preparando seus filhos para se confessar e comungar
MAIS: DUAS AULAS BÔNUS e UM E-BOOK em PDF

Formato: Site de Membros, Serviços de Assinatura
Este é um produto digital, você receberá os dados para acessá-lo via internet.
$
R$ 320,00
ou até 12X no cartão.
Compra 100% segura 
Powered by Powered by Hotmart

Dúvidas? Esse curso é para mim?Como catequizar seus filhos em casa.
A responsabilidade dos pais na transmissão da fé cristã às crianças é primordial. Faz parte dos votos matrimoniais. É uma obrigação espiritual, teológica, moral e canônica.

Você tem dúvidas de como educar seus filhos com os conteúdos indispensáveis à sua formação catequética? Faça o nosso curso!

Quer aprender como catequizar seus filhos em casa? Faça o nosso curso!

Com eficácia, transmitindo doutrina segura e os ajudando a crescer não só no conhecimento da fé católica como na intimidade com Cristo e na busca pela santidade? Faça o nosso curso!

Quer aplicar princípios pedagógicos sérios na catequese infantil no lar e entender o processo de conduzir as crianças a Deus? Faça o nosso curso!

Está perdido quanto ao conteúdo que deve ser passado? Faça o nosso curso!

É um excelente curso em várias aulas em vídeo, capacitando você a ser um exímio catequista dos seus filhos, entendendo o que e como deverá abordar ao catequizar seus filhos.

Não perca mais tempo!
Valor do Curso: R$320,00 ou até 12x no cartão.
Clique aqui e COMPRE AGORA!

SOBRE OS AUTORES DO CURSO COMO CATEQUIZAR SEUS FILHOS EM CASA

Eu, Aline, tenho com mais de dez anos de experiência em educação infantil, e meu marido Rafael  é profundo conhecedor da doutrina da Igreja e estudioso dos temas da Igreja desde 1994, fundador e diretor-geral do Salvem a Liturgia, e foi membro por muitos anos da equipe do melhor site de apologética em língua portuguesa, o Veritatis Splendor, além de ter artigos publicados no site oficial da Congregação para o Clero, no Vaticano, e ser autor de vários livros religiosos recomendados por grandes Bispos. Ou seja, nós dois juntos temos experiência e condições de ajudar você a preparar uma série excelente de aulas para a catequese doméstica dos seus filhos.

O Rafael e eu somos casados desde 2008 e já temos quatro filhos. Ensinamos os rudimentos da fé católica a todos eles, e a mais velha, Maria Antônia, com cinco anos, já está sendo formalmente catequizada justamente com esse método que iremos propor no curso.

Como temos custos e estudamos para dar esse curso, que fizemos com muito amor e carinho para nossos queridos leitores, cobramos uma taxa que ajudará na manutenção de nosso apostolado. Manter um blog custa dinheiro, e comprar os livros necessários para repassar o conteúdo para vocês também. O tempo gasto na preparação das aulas também é algo a se considerar.

Se você tivesse que aprender por si só e comprar todos os materiais que estão em nossa biblioteca, gastaria anos estudando e se formando e teria que investir muito dinheiro. Todavia, estamos facilitando as coisas para você, pois entendemos que nosso trabalho é um apostolado, uma ajuda.

E um excelente curso em várias aulas em vídeo, capacitando você a ser um exímio catequista dos seus filhos, entendendo o que deverá abordar, sairá por muito menos do que você imagina.

Considere não como um pagamento ou um gasto, MAS COMO UM INVESTIMENTO na formação espiritual e doutrinária de seus filhos.

Não tenha medo!
Seja o catequista de seus filhos em casa!
Nós te ajudaremos nesta tarefa!

Formato: Site de Membros, Serviços de Assinatura
Este é um produto digital, você receberá os dados para acessá-lo via internet.
$
R$ 320,00
ou até 12X no cartão.
Compra 100% segura 
Powered by Powered by Hotmart


O que a memória ama

“O que a memória ama, fica eterno.”
Texto recebido via WhatsApp. Autora: Fabíola Simões.


Quando eu era pequena, não entendia o choro solto da minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro. O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender. O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.

É que a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos. Crianças têm o tempo a seu favor e a memória ainda é muito recente. Para elas, um filme é só um filme; uma melodia, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.

Diante do tempo envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente parte. Porém, para a memória ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são crianças, nossos amigos estão perto, nossos pais ainda vivem.

A frase do título é de Adélia Prado: "O que a memória ama, fica eterno". Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente. Quando nos damos conta nossos baús secretos – porque a memória é dada a segredos – estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

A capacidade de se emocionar vem daí: quando nossos compartimentos são escancarados de alguma maneira. Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você – foi o fundo musical de um amor, ou a trilha sonora de uma fossa – e mesmo que tenham se passado anos, sua memória afetiva não obedece a calendários, não caminha com as estações; alguma parte de você volta no tempo e lembra aquela pessoa, aquele momento, àquela época...

Amigos verdadeiros têm a capacidade de se eternizar dentro da gente. É comum ver amigos da juventude se reencontrando depois de anos – já adultos ou até idosos – e voltando a se comportar como adolescentes bobos e imaturos. Encontros de turma são especiais por isso, resgatam as pessoas que fomos, garotos cheios de alegria, engraçadinhos, capazes de atitudes infantis e debiloides, como éramos há 20 ou 30 anos. Descobrimos que o tempo não passa para a memória. Ela eterniza amigos, brincadeiras, apelidos... mesmo que por fora restem cabelos brancos, artroses e rugas.

A memória não permite que sejamos adultos perto de nossos pais. Nem eles percebem que crescemos. Seremos sempre "as crianças", não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Pra eles a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das estórias contadas ao cair da noite... ainda são muito recentes, pois a memória amou, e aquilo se eternizou.

Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas. Dizem que o tempo cura tudo, mas não é simples assim. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na dor. Mas aquilo que amamos tem vocação para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando. Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que amamos pode ser facilmente reativado por novos gatilhos: somos traídos pelo enredo de um filme, uma música antiga, um lugar especial.

Do mesmo modo, somos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex-amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve daqui seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.

Tarde de Domingo no Sertão


Linda tarde de domingo...
Nada a fazer...
Estou de passagem por uma pequena cidade, longe de casa, no sertão do Brasil...

Já percorri todas as quatro ruas da Vila...
Vi o povo simples e feliz conversando com os vizinhos embaixo de frondosas árvores...

Um vento suave sopra à noroeste amenizando o calor do sol forte já iniciando seu declínio ao Oeste...

Fui à missa de manhã na pequena Capela...
Me emocionei pela simplicidade e pureza da fé do povo...
Rezei por mim e por minha família... Também lembrei da imensa fé de minha mãe...
Chorei de saudades de um tempo feliz que nunca pude viver...

Comidinha caseira feita com amor no fogão de lenha pela velha senhora dona da pensão humilde, mas extremamente limpa ... Dá até pra ver minha imagem refletida no vermelhão encerado do chão lustrado pelo pesado escovão de ferro...

Melancolia pelas lembranças da passada infância...
Nostalgia pela saudade do tempo que se foi...
Solidão pelo vazio na alma pela insegurança em busca do amor ...

Até quando este coração vai suportar a falta de um grande amor...
Uma Mulher Carinhosa e Sonhadora que seja a razão de minha paixão...
Até quando...

Pensamentos do Tio Vavá...
Em algum lugar dos sertões no interior do Brasil...

terça-feira, 16 de outubro de 2018

DEUS PROCURA

Esta é uma história verídica, narrada por John Powel, S.J., professor de Teologia da Fé, da Loyola University de Chicago, EUA:
Um dia, há muitos anos atrás, eu estava de pé na porta da sala, esperando meus alunos entrarem para nosso primeiro dia de aula do semestre. Foi aí que vi Tom, pela primeira vez. Não consegui evitar que meus olhos piscassem de espanto. Ele estava penteando seus cabelos longos e muito loiros que batiam uns vinte centímetros abaixo dos ombros. Eu nunca vira um rapaz com cabelos tão longos. Acho que a moda estava apenas começando nessa época.
Mesmo sabendo que o que importa não é o que está fora, mas o que vai dentro da cabeça, naquele dia eu fiquei um pouco chocado. Imediatamente classifiquei Tom com um” E “de estranho... muito estranho!”.
Tommy acabou se revelando o "ateísta de plantão" do meu curso de Teologia da Fé. Constantemente, fazia objeções ou questionava sobre a possibilidade de existir um Deus-Pai que nos amasse incondicionalmente. Convivemos em relativa paz durante o semestre, embora eu tenha que admitir que às vezes ele era bastante incômodo. No fim do curso, ele se aproximou e me perguntou, num tom ligeiramente irônico:
- O senhor acredita mesmo que eu possa encontrar Deus algum dia?
Resolvi usar uma terapia de choque: - Não, eu não acredito! -respondi.
- Ah! - ele respondeu - Pensei que era este o produto que o senhor esteve tentando nos vender nos últimos meses.
Eu deixei que ele se afastasse um pouco e falei, bem alto:
- Eu não acredito que você consiga encontrar Deus, mas tenho absoluta certeza de que Ele o encontrará um dia. Ele deu de ombros e foi embora da minha sala e da minha vida.

Algum tempo depois soube que Tommy tinha se formado e, em seguida, recebi uma notícia triste: ele estava com um câncer terminal. E antes que eu resolvesse se ia à sua procura, ele veio me ver. Quando entrou na minha sala, percebi que seu físico tinha sido devastado pela doença e que os cabelos longos não existiam mais, devido à quimioterapia. Entretanto, seus olhos estavam brilhantes e sua voz era firme, bem diferente daquele garoto que conheci.

- Tommy, tenho pensado em você. Ouvi dizer que está doente! - falei.
- Ah, é verdade, estou seriamente doente. Tenho câncer nos dois pulmões. É uma questão de semanas, agora.

- Você consegue conversar bem a esse respeito?
- Claro, o que o senhor gostaria de saber?

- Como é ter apenas vinte e quatro anos e saber que está morrendo?
- Acho que poderia ser pior.

- Como assim?
- Bem, eu poderia ter cinqüenta anos e não ter noção de valores ou ideais, ou ter sessenta anos e pensar que bebida, mulheres e dinheiro são as coisas mais "importantes" da vida.

Lembrei-me da classificação que atribuí a ele: "E" de "estranho" (parece que as pessoas que recebem classificações desse tipo, são enviadas de volta por Deus para que eu possa repensar o assunto).
- Mas a razão pela qual eu realmente vim vê-lo - disse Tom - foi a frase que o senhor me disse no último dia de aula. (Ele se lembrava!...)
Tom continuou: - Eu lhe perguntei se o senhor acreditava que eu encontraria Deus algum dia e o senhor respondeu 'Não', o que me surpreendeu. Em seguida, o senhor disse, "mas Ele o encontrará". Eu pensei um bocado a respeito daquela frase, embora na época não estivesse muito interessado no assunto. Mas quando os médicos removeram um nódulo da minha virilha e me disseram que se tratava de um tumor maligno, comecei a pensar com mais seriedade sobre a idéia de procurar Deus. E quando a doença se espalhou por outros órgãos, eu comecei realmente a dar murros desesperados nas portas de bronze do paraíso. Mas Deus não apareceu. De fato, nada aconteceu. O senhor já tentou fazer alguma coisa por um longo período, sem sucesso? A gente fica cansado, desanimado.
Um dia, ao invés de continuar atirando apelos por cima do muro alto atrás de onde Deus poderia estar... ou não... eu desisti, simplesmente. Decidi que de fato não estava me importando... com Deus, com uma possível vida eterna ou qualquer coisa parecida. E decidi utilizar o tempo que me restava fazendo alguma coisa mais proveitosa. Pensei no senhor e nas suas aulas e me lembrei de uma coisa que o senhor havia dito noutra ocasião: "A tristeza mais profunda, sem remédio, é passar pela vida sem amar. Mas é quase tão triste passar pela vida e deixar este mundo sem jamais ter dito às pessoas queridas o quanto você as amou.
Então resolvi começar pela pessoa mais difícil: meu pai. Ele estava lendo o jornal quando me aproximei dele: - Papai...eu disse.
- Sim, o que é? - ele perguntou, sem baixar o jornal.
- Papai, eu gostaria de conversar com você.
- Então fale.
- É um assunto muito importante!

O jornal desceu alguns centímetros, vagarosamente. 
- O que é? 
- Papai, eu o amo muito. Só queria que você soubesse disso.

O jornal escorregou para o chão e meu pai fez duas coisas que eu jamais havia visto: Ele chorou e me abraçou com força. E conversamos durante toda à noite, embora ele tivesse que ir trabalhar na manhã seguinte. Foi tão bom poder me sentar junto do meu pai, conversar, ver suas lágrimas, sentir seu abraço, ouvi-lo dizer que também me amava!... Foi uma emoção indescritível!
Foi mais fácil com minha mãe e com meu irmão mais novo. Eles choraram também e nós nos abraçamos e falamos coisas realmente boas uns para os outros. Falamos sobre as coisas que tínhamos mantido em segredo por tantos anos, e
que era tão bom partilhar. Só lamentei uma coisa: que eu tivesse desperdiçado tanto tempo, me privando de momentos tão especiais. Naquela hora eu estava apenas começando a me abrir com as pessoas que amava.

Então, um dia, eu olhei, e lá estava ELE. Ele não veio ao meu encontro quando lhe implorei. Acredito que estava agindo como um domador de animais que, segurando um chicote, diz: - Vamos, pule! Eu lhe dou três dias.. três semanas...
Parece que Deus não se deixa impressionar. Ele age a Seu modo e a Seu tempo. Mas o que importa é que Ele estava lá. Ele me encontrou... O senhor estava certo. Ele me encontrou mesmo depois de eu ter desistido de procurar por Ele.
Tommy - eu disse, bastante comovido - o que você está dizendo é muito mais importante e muito mais universal do que você pode imaginar. Para mim, pelo menos, você está dizendo que a maneira certa de encontrar Deus, não é fazendo Dele um bem pessoal, uma solução para os nossos problemas ou um consolo em tempos difíceis, mas sim se tornando disponível para o verdadeiro Amor. O apóstolo José disse isto: "Deus é Amor e aquele que vive no Amor, vive com Deus e Deus vive com ele".
- Tom, posso pedir-lhe um favor? Você sabe que me deu bastante trabalho quando foi meu aluno. Mas (aos risos) agora você pode me compensar por aquilo. Você viria à minha aula de Teologia da Fé e contaria aos meus alunos o que você acabou de me contar? Se eu lhes contasse não seria a mesma coisa, não tocaria tão fundo neles!
- Oooh!... eu me preparei para vir vê-lo, mas não sei se estou preparado para enfrentar seus alunos.
- Então, pense nisto. Se você se sentir preparado, telefone para mim.

Alguns dias mais tarde, Tom telefonou e disse que falaria com a minha turma. Ele queria fazer aquilo por Deus e por mim. Então marcamos uma data.
Mas, o dia chegou... e ele não pode ir. Ele tinha outro encontro, muito mais importante do que aquele. Ele se foi... Tom havia dado o grande passo para a verdadeira realidade. Ele foi ao encontro de uma nova vida e de novos desafios.
Antes de ele morrer, ainda conversamos uma vez.
- Não vou ter condições de falar com sua turma. - ele disse.
- Eu sei, Tom.
- O senhor falaria com eles por mim? O senhor falaria... com todo mundo por mim?
- Vou falar, Tom. Vou falar com todo mundo. Vou fazer o melhor que puder.

Portanto, a todos vocês que foram pacientes, lendo esta declaração de amor tão sincera, obrigado por fazê-lo.
E a você Tommy, onde quer que esteja, aí está: eu falei com todo mundo... do melhor modo que consegui. E espero que as pessoas que tiveram conhecimento desta história, possam contá-la aos seus amigos, para que mais gente possa conhecê-la...".
"OS AMIGOS SÃO O MEIO PELO QUAL DEUS GOSTA DE CUIDAR DE NÓS!...” QUE FALEMOS PARA AS PESSOAS QUE VERDADEIRAMENTE NOS AMAM: - EU TE AMO
“Não diga pra Deus que você tem um grande problema, diga pro seu problema que você tem um grande Deus”· (Júlio Heringer.)

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

A DOR DA ÁGUIA E O RENASCER DA FÊNIX

Dois textos que marcam profundamente a quem sofre ou já passou por um grande sofrimento...
Na história da águia, por volta dos 40 anos ela tem que se retirar para o alto de um penhasco, quebrar seu velho bico, arrancar as velhas penas, quebrar suas velhas garras e esperar quarenta dias de dor e fome para que tudo cresça novamente. Depois deste período de fome e dor, a águia volta aos céus majestosamente e vai à caça e impiedosamente mata suas vítimas que lhe servirão para matar a fome no longo período de recuperação.
Na história da Fênix, esta ave mitológica, ao passar por um longo período de grande sofrimento, incendeia-se a si própria transformando-se em cinzas, que ao nascer do novo dia renascem e se transformam em uma nova Fênix, agora portando o fogo como sua proteção absoluta, queimando tudo e todos que lhe fizeram sofrer...
Na história do ser humano, às vezes, o sofrimento é tão intenso que primeiro a gente se retira para um "penhasco - solidão" e destrói tudo que nos machuca e impede de viver bem e ao mesmo tempo queima aqueles sentimentos que nos causam sofrimentos...
O novo ser humano renovado e renascido de suas próprias cinzas torna-se muito forte e por outro lado extremamente incapaz de sentir e amar novamente... E o sorriso desaparecerá para sempre de sua vida...
A solidão do lobo nas estepes será sempre a sua companheira, as novas matilhas já não o atraem mais... Viver só e em um patamar acima da mediocridade humana tornar-se-á sua bandeira e sua fortaleza até que um dia esteja habilitado à conhecer as maravilhas do outro lado...
Pensamentos do Tio Vavá...

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Durval Pereira Neves Homenageado

Ontem, dia 07.12.2015, foi um dia muito especial...

Meu pai, Durval Pereira Neves, com quase 95 anos de idade foi homenageado na sessão da Câmara Municipal de Araçatuba pelos relevantes seviços prestados na Comunidade do Bairro Traitu.

Em requerimento da Vereadora Beatriz Soares Nogueira foi votado um voto de Aplauso ao meu pai, que ficou muito emocionado. A vereadora queria fazer uma homenagem ainda em vida e valeu a pena estar lá...

Estavam presentes minha mãe, Lázara Sampaio Neves, Dinorá Pereira Neves, Décio Pereira Neves e Luita Neves (neta). Foi uma satisfação estar presente e ter registrado esta ocasião.

Parabéns, meu Pai, Durval Pereira Neves, pelo seu exemplo não só em família como também em todas as comunidades onde viveu... Parabéns!!!

Veja fotos e vídeo do evento...











domingo, 21 de junho de 2015

ROTEIROS PARA REFLEXÃO SOBRE A LITURGIA DOMINICAL

12º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B - 21/06/2015


JESUS, SENHOR DA NATUREZA
“Não tenham medo!”

COMPROMISSO DE VIDA: Pedir ao Pai do céu que nunca nos falte o dom da fé e da confiança em sua presença em nossa vida. Confiemos na presença de Jesus em todos os momentos da nossa vida! Ele nos convida a vencer nossos medos e inseguranças e enfrentar com coragem e fé as dificuldades que possam aparecer em nossa existência.

As leituras de hoje nos convidam a deixar nossos lugares costumeiros, a perder o medo e partir para a outra margem. Enquanto estivermos dando demasiada atenção aos nossos problemas pessoais (à semelhança de Jó), não teremos abertura para evangelizar o mundo. O mundo parece estar no caos, as ondas se lançam contra a barca, mas Deus está no controle; é necessário arriscar-se em direção ao novo.

Aventurar-se a sair do ambiente judaico foi o desafio das comunidades do final do primeiro século de nossa era. Após a morte de Jesus, em tempos de conflito, perseguições e medo, e contra aqueles que queriam fechar-se num gueto, alguns cristãos sabiam que o evangelho deveria ser anunciado ao mundo inteiro e deram início a uma ousada marcha de saída de si.

Por isso, assegura-nos o apóstolo que as coisas velhas passaram, temos de nos renovar. Vamos abrir as janelas da Igreja para que o vento do Espírito Santo remova todo o mofo que ali se acumulou, como diria o papa João XXIII. Que os pastores tenham o cheiro das ovelhas, diz o papa Francisco.

Deus preocupa-se com os dramas dos homens? Onde está Ele nos momentos de sofrimento e de dificuldade que enfrentamos ao longo da nossa vida? A liturgia do 12º Domingo do Tempo Comum diz-nos que, ao longo da sua caminhada pela terra, o homem não está perdido, sozinho, abandonado à sua sorte; mas Deus caminha ao seu lado, cuidando dele com amor de pai e oferecendo-lhe a cada passo a vida e a salvação.

A primeira leitura fala-nos de um Deus majestoso e omnipotente, que domina a natureza e que tem um plano perfeito e estável para o mundo. O homem, na sua pequenez e finitude, nem sempre consegue entender a lógica dos planos de Deus; resta-lhe, no entanto, entregar-se nas mãos de Deus com humildade e com total confiança.

No Evangelho, Marcos propõe-nos uma catequese sobre a caminhada dos discípulos em missão no mundo… Marcos garante-nos que os discípulos nunca estão sozinhos a enfrentar as tempestades que todos os dias se levantam no mar da vida… Os discípulos nada têm a temer, porque Cristo vai com eles, ajudando-os a vencer a oposição das forças que se opõe à vida e à salvação dos homens.


A segunda leitura garante-nos que o nosso Deus não é um Deus indiferente, que deixa os homens abandonados à sua sorte. A vinda de Jesus ao mundo para nos libertar do egoísmo que escraviza e para nos propor a liberdade do amor mostra que o nosso Deus é um Deus interveniente, que nos ama e que quer ensinar-nos o caminho da vida.

Primeira Leitura: Jó 38,1.8-11
Esta leitura contém a resposta de Deus às perguntas angustiosas de Job e ensina-nos a superar a tentação do desânimo e o desespero, descobrindo na própria solidão e fraqueza, a presença reconfortante de Deus.

Salmo 106/107
O salmo de meditação é um hino de louvor à bondade de Deus que na Sua providência acompanha os homens nas suas dificuldades.

Segunda Leitura: 2 Coríntios 5,14-17
S. Paulo convida-nos a entrar num novo estilo de vida como consequência da nossa inserção no mistério de Cristo Ressuscitado.

Evangelho: Marcos 4,35-41
A atividade libertadora de Jesus é a grande «visita» de Deus que vem salvar o Seu povo. Essa visita é a manifestação do amor compassivo, que atende os mais pobres e necessitados.



Sugestão de páginas para estudo e compreensão de Liturgias Diárias e Dominicais:



Homilias e Sermões com Comentário Exegético:

                                    http://www.npdbrasil.com.br/religiao/rel_hom_gotas0215.htm

Vídeo YouTube:        https://youtu.be/vl38HGWzYYA

MISSA ONLINE (disponível no domingo de 09h00 às 23h00):                                                                                               http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm



PISTAS PARA REFLEXÃO

Não tenhamos medo, vamos para a outra margem. Este deve ser o grito de ordem para as comunidades de nosso tempo. Apesar do que vem insistindo o papa Francisco, ainda há muitos católicos que querem uma Igreja fechada, com o evangelho enclaustrado em estruturas arcaicas. Mas Jesus, por meio das Sagradas Escrituras, Palavra de Deus que julga nossas ações, insiste ainda agora, no crepúsculo da história do cristianismo: “Vamos à outra margem, meu Pai está no controle, eu conduzo o barco, as coisas antigas passaram, novas são todas as coisas, não tenham medo!”

A salvação depende disto: reconhecer a presença do Senhor e recorrer à sua ajuda. De fato, ele estava mais próximo do que os discípulos podiam imaginar. Donde a necessidade premente da fé. O Senhor protege a comunidade das investidas do mal. Os discípulos, por estarem em suas mãos, não têm por que temer seus adversários.


Ver texto completo em: Roteiro Homilético Homilético: http://www.npdbrasil.com.br/religiao/rel_hom_roteiro.htm

Dermeval Neves

Fontes externas para Reflexão e dos Comentários das Leituras:
Roteiro Homilético da Revista Pastoral da Paulus: http://vidapastoral.com.br/roteiros